sábado, 5 de outubro de 2019

Cinema Baiano no Panorama 2019


Tradicional festival local debuta e apresenta 
a Competitiva da Baiana edição 2019 


Por João Paulo Barreto

Obras que flertam com a ficção científica e que desenham o futuro apocalíptico a se anunciar no atual e triste Brasil. Em forma de musical, a solidão da vida plástica da internet. Animações e cinema de gênero de horror. A esperança residente no ato de amor atrelado à labuta do fazer Cinema mesmo em tempos sombrios. Documentários a relembrar a nostálgica locomoção na linha férrea de Salvador ou a denunciar o descaso com a educação pública perante a especulação imobiliária no Corredor da Vitória, local onde fica o histórico Colégio Estadual  Odorico Tavares. Estes são apenas alguns dos diversos temas presentes dentre os 25 filmes que a décima quinta edição do Panorama Internacional Coisa de Cinema levará às telas Competitiva Baiana do festival que começa no dia 30 de outubro.

Acontecendo simultaneamente em Salvador, no Espaço Itaú de Cinema – Glauber Rocha, e no Cine Theatro Cachoeirano, na cidade de Cachoeira, no recôncavo baiano, o Panorama completa em 2019 quinze edições dando visibilidade às produções de realizadores e realizadoras daqui. Assim, busca gerar um diálogo constante com as diversas vertentes do cinema feito em um estado como a nossa Bahia, notória por gerar obras pilares da filmografia brasileira.

Cena de Em Cima do Muro, de Hilda Lopes Pontes

VARIEDADE TEMÁTICA

Na categoria de longas metragens, o diretor do festival e curador dos longas, o cineasta Cláudio Marques aponta que, na escolha do filmes este ano, resolveu optar por uma competição mais enxuta. “Escolhi, realmente, os mais significativos tanto em termos de conteúdo quanto na forma. Há uma diversidade interessante: uma animação com seu universo próprio; um belo e honesto filme caseiro, além de dois filmes de cunho ativista. Interessante que esses dois últimos filmes, os que eu denomino “ativistas”, possuem estética e aproximação totalmente distintas. Creio que em termos de qualidade nós ganhamos bastante na competição baiana de 2019”, pontua Cláudio.

Na seleção de curtas metragens, um foco em variados temas e urgências foi colocado em evidência na escolha dos filmes. O professor, pesquisador e crítico de cinema, Rafael Carvalho, que integra a equipe de curadoria responsável pela seleção dos curtas, salienta a dificuldade na escolha dos trabalhos a serem exibidos. "Mais uma vez tivemos um ano muito bom de inscrição de curtas baianos e certa dificuldade em escolher os selecionados, principalmente pela diferenças de abordagem, formato, gêneros e temáticas que os filmes espelham. Mais que tudo, escolhemos filmes que gostaríamos que o público visse para conhecer o que temos produzido em termos de cinema hoje aqui no Estado", conclui Rafael.

Cena de Fundo do Céu, de Matheus Vianna

O Panorama Internacional Coisa de Cinema possui o apoio do Governo do Estado da Bahia através da Secretaria de Cultura, fazendo, desde 2012, parte do edital “Projetos Culturais Calendarizados”. Trata-se de um edital responsável por formar plateias para as artes, além de valorizar a cultura local, bem como trazer benefícios na geração de emprego e renda. A Bahia é um dos poucos estados do Brasil a possuir esse tipo de incentivo. Que possa permanecer e se expandir para que novos trabalhos continuem a ter uma janela de exibição tão ampla quanto o Panorama.

*Matéria originalmente publicada no Jornal A Tarde, dia 06/10/2019



CONFIRA OS SELECIONADOS PARA A COMPETITIVA BAIANA DO
XV PANORAMA INTERNACIONAL COISA DE CINEMA


LONGAS
Cinema de Amor, de Edson Bastos e Henrique Filho.

Jaçanã, de Laryssa Valim Machada.

Miúda e o Guarda-Chuva, de Amadeu Alban.

Uma Mulher, Uma Aldeia, de Daniel Dourado e Marcelo Abreu Góis.

CURTAS
A Mulher no Fim do Mundo, de Ana do Carmo.

A Sete Tragos Do Chão, de Ariel L. Dibernaci e Cláudia Sater.

Ada, de Rafaela Uchoa.

Arco do Tempo, de Juan Rodrigues.

Cabelos Brancos, de Lina Cirino e Elza Cirino.

Cartas para Ana, de Carla Caroline.

Chica, de Andrea Guanais.

Corações Encouraçados, de Jamile Coelho e Cintia Maria.

Em Cima do Muro, de Hilda Lopes Pontes.

Enjoy Your Sunday, de Victor Marinho.

Enquanto Eu For Lembrado, de Állan Maia.

Entre o Céu e o Subsolo, de Felipe da Silva Borges.

Fundo do Céu, de Matheus Vianna.

Japanese Nano Food, de Liz Riscado.

Joderismo, de Marcus Curvelo.

Necropolis, de Italo Oliveira.

O Garoto no Fim do Mundo, de Antônio Victor e Lailson Brito.

Pelano!, de Christina Christina Mariani e Calebe Lopes.

Tem um Monte de Oxum no SUS, de Aline Brune.

Vapor SubUrbano, de Dodias An.

Vigia - Um Olhar para a Morte, de Victor Marinho.















Coringa


Os Degraus da Insanidade


Com um inspirado Joaquin Phoenix, Coringa traz origem de lendário 

vilão em humano, violento e reflexivo espiral psicológico

Por João Paulo Barreto

Em um dos recorrentes enquadramentos utilizados pelo diretor Todd Phillips na sua vertiginosa viagem dentro do labirinto mental de Arthur Fleck (um Joaquin Phoenix em estado de graça), o comediante fracassado que se torna o assassino serial autointitulado Coringa, vemos o homem de aparência frágil subir algumas vezes vários lances de escada em uma conexão entre as imundas ruas da fictícia Gotham City, ou, a Nova York setentista que o filme soube emular tão bem de obras como Perdidos na Noite, Serpico e Taxi Driver.

Aqui, percebemos em suas costas curvadas o peso de sua existência naquelas constantes escaladas de degraus em diários retornos para o apartamento decrépito onde vive com sua mãe doente, após mais uma jornada de derrotas na carreira como palhaço de rua a anunciar promoções de lojas decadentes, animar crianças doentes em hospitais, ou no alimentar do sonho inútil de fazer sucesso na comédia de stand-up.

Da mesma maneira, esse retorno também acontece após mais um dia de violências sofridas e de escape do sufocamento urbano, e, também, após mais uma tentativa fracassada de se adaptar, através de visitas ao Serviço Social, a um mundo que o renega rotineiramente. A repetição é a vida de Arthur. Bem como é uma das precisas definições do inferno

Arthur e sua condição: risos incontroláveis 
.
Não com surpresa o espectador atento percebe naquela escada constante a bela rima visual ao ver o protagonista iniciar sua pessoal, e, por isso, aliviante espiral descendente em direção à loucura com um atravessar daqueles mesmos degraus, só que no sentido contrário, seguindo para a entrega total à violência catártica e deixando para trás qualquer chance de redenção. Ao subir aqueles degraus em sua postura de desistência e desânimo, mas, ainda assim, lutando para de algum modo conseguir escapar, seja com a ajuda de remédios ou cogitando um interesse amoroso, ainda tem-se ali a presença de alguém que quer se ver curado e “feliz” como, ironicamente, o chama sua mãe, Penny (Frances Conroy). Na postura confiante e reversa da descida daqueles mesmos degraus, com suas roupas berrantes, com uma maquiagem a mostrar seu verdadeiro rosto e em uma incisiva dança, o que vemos é justamente essa citada entrega à catarse.

ÁSPERA SOCIEDADE

É disso que trata Coringa, incursão dentro da trajetória do mais conhecido vilão dos quadrinhos do Batman que, aqui, é desenhado em uma humana e, calcada no real, gênese. É sobre a perda das amarras na entrega a uma insanidade nociva, brutal e assassina causada pela crueldade familiar e pela omissão áspera de uma sociedade amarga. Demonstrando esse peso a martirizá-lo, está a presença física de Joaquin Phoenix.

Com sua impressionante magreza, suas costas arqueadas, omoplatas protuberantes, uma postura que, de maneira contrastante, desenha fragilidade e, simultaneamente, força bruta em sua personagem, o ator dá a Arthur um paralelo de empatia e de medo junto ao público. E essa força bruta é denotada logo em seu começo, quando, sem camisa e exibindo hematomas da recente surra sofrida, tenta rasgar o couro de suas botas de palhaço como maneira de descarregar algo. Aqui, o desenho de som preciso cria justamente essa sensação de brutalidade escondida sob aquele corpo esquelético. E nas gargalhadas incontroláveis acompanhadas por um cartão explicativo daquela condição, ou naqueles risos agudos que ele manipula muito bem, o seu autocontrole é evidenciado e nós o entendemos com os dentes trincados.

De Niro na pele de Murray Franklin: nocivo e humilhante oportunismo

MÍDIA NOCIVA

Em uma Gotham City que representa tudo de ruim que a desigualdade social pode criar, na qual a ingerência irresponsável de políticos incompetentes e corruptos desenha o presente, o futuro e o desespero de cidadãos sem amparo social e vitimas de um capitalismo nocivo, a imagem de um povo se levantar sob o símbolo de um palhaço assassino dá à experiência Coringa um peso ainda mais relevante. Distante de qualquer denúncia rasa e insustentável de um suposto teor irresponsável em suas ideias niilistas, a obra de Todd Phillips concede ao seu público uma possibilidade imensa de reflexão. “É a vida”, como bem pontua Robert De Niro na pele de um oportunista apresentador de TV. E observe que isso vem de um filme que possui um selo de origem nos quadrinhos. Não é pouca coisa.

Inclusive, a presença de De Niro como o anfitrião do programa de entrevistas e comediante Murray Franklin, uma evidente relação à subestimada obra O Rei da Comédia, dirigida por Martin Scorsese em 1982. Aqui, porém, Rupert Pupkin troca de lugar com Arthur Fleck, mas a mesma carência afetiva está lá presente. O que muda é somente a intensidade e velocidade de seu caos interno. Como catalisador para toda fúria do protagonista, Murray Franklin vem como um símbolo de todas auguras que atormentam Fleck.

No ato extremo a fechar o filme, uma imagem simbólica de diversos monitores de TV exprime o caos causado pelo já batizado Coringa. Alguns dos canais continuam a exibir sua programação normal, com publicidades e episódios semanais “a colocar um sorriso no rosto” do espectador. A vida segue. Mas o caos permanece. Às vezes disfarçado, às vezes evidente. Mas sempre nocivo.

*Texto originalmente publicado no Jornal A Tarde, dia 05/10/2019