quinta-feira, 15 de novembro de 2012

O Iluminado - Versão estendida






Promovidas pelo BFI Southbank, complexo de cinemas localizado no centro Londres, as exibições de versões restauradas e/ou estendidas de clássicos como Lawrence da Arábia, de David Lean, e O Iluminado, de Stanley Kubrick, é uma das principais razões para o salivar desse cinéfilo que vos escreve.

A sessão de ontem de O Iluminado apresentou a versão americana que ainda era inédita em solo inglês. Com 144 minutos de duração, o filme traz o mesmo impactante inicio com a imagem aérea dos lagos do Maine (terra natal de Stephen King, autor do livro original, e local onde se passam quase todos seus romances) e a ida de Jack Torrance em direção às montanhas onde está localizado o amaldiçoado hotel Overlook. A música de Krzysztof Penderecki,The Dies Irae of the Auschwitz Cantata, tem, na tela grande, seu impacto elevado  criando um ambiente cuja claustrofobia se torna inversa devido à imponência e grandiosidade   dos cenários. Observar o diminuto automóvel passar por aquela estrada em um ambiente tão exuberante e já conhecendo o horror que se acometerá sobre aquele homem e sua família, é ainda mais angustiante por conta da inserção musical que ajuda a criar uma impressão pós-apocalíptica na cena.

Remontada pelo próprio Stanley Kubrick após o original ter sido criticado por King devido à falta de fidelidade com a narrativa do seu livro, essa inédita versão traz cenas que, de fato, tornam o desenvolvimento da psicopatia de Jack Torrance mais perceptível. Nela, ficamos sabendo do comportamento violento de Jack através das palavras de Wendy (Shelley Duvall), em uma pista que tem sua recompensa na cena em que Jack é servido por Lloyd, o garçom fantasma. Após ver pela primeira vez os elevadores do hotel jorrando sangue e os cadáveres esquartejados das gêmeas, Danny desmaia e é examinado por uma médica em seu quarto. A doutora quer saber detalhes sobre a relação do garoto com os pais, no que Wendy explica sobre a ocasião em que Jack deslocou o ombro do filho em um ataque de fúria, cena que vai remeter ao momento em que o pai explica ao bartender sua inocência.

Outro momento que difere do original é a apresentação do chef Dick Hallorann (Scatman Crothers), cuja entrada em cena torna-se mais fluída devido ao desenvolvimento da relação dele com a família Torrance. E se a relação de Jack com o hotel na versão original só é revelada no decorrer do filme, nessa versão estendida já vemos desde o inicio esse estreito déjà vu que o homem parece sentir, algo comprovado pelo momento de inserção no qual ele admite ter a sensação de já ter estado no Overlook anteriormente.

Com o desenvolvimento da trama e da gradativa entrega de Jack à loucura, percebe-se a razão para Kubrick não ter mantido todas essas cenas na versão final lançada em 1980. Claro, sem elas o filme soa mais direto, algo que a proposta de um longa de horror segue à risca: trazer o espectador para seu clímax de terror de forma mais rápida. Mas inegavelmente momentos como o que Wendy encontra esqueletos no salão de festas ou os rápidos flashes sanguinolentos e somados à expressão de terror de Danny nos segundos que precedem o golpe de Wendy com um taco de beisebol, aumentam exponencialmente a tensão de uma obra que parecia já ter alcançado seu grau máximo de tormenta.

E se a atuação de Nicholson já é famosa por seu impacto, a de Shelley Duvall impressiona sempre. Ter um já prévio conhecimento das técnicas usadas pelo perfeccionista Kubrick para tornar mais intensa a interpretação da atriz (técnicas que beiravam à crueldade e o sadismo), faz com que a observação do modo visceral com que ela desenvolve seu papel se torne louvável. Lidar com Kubrick não devia ser fácil. As lágrimas de Wendy no filme se misturam com as de Duvall. E uma personagem de personalidade fraca que parece não querer enxergar nada de errado em seu frágil mundo e que finge não perceber a falsidade de seu casamento acaba por crescer em meio ao pânico e ao terror.

Os momentos de horror proporcionados por O Iluminado na tela grande não serão esquecidos tão cedo. 

Um comentário:


  1. https://www.facebook.com/Memoria-TV-Cinema-915112058525444/

    contato (PEÇA CATALOGO ILUSTRADO) magobardo@yahoo.com

    filmes nacionais como O CARA DE FOGO, QUELÉ DO PAJEÚ, RITMO JOVEM (Marcio Greick) GREGORIO 38, ESQUERDINHA O BRAÇO FORTE DA LEI.. E MUITOS OUTROS rarissimos ;NOVELAS RARAS COMO DE CORPO E ALMA (DANIELA PEREZ), ZAZÁ, ANJO DE MIM, PECADO CAPITAL,CORAÇÃO SELVAGEM, BETTY A FEIA ...E MUIIITO MAIS (Programas da TV,auditorio,humor,MPB etc..)SITIO DO PICA-PAU AMARELO, MALHAÇÃO, Ficção rara como "TURISTA ESPACIAL".. PERRY RHODAN legendado ;serie como CENTENNIAL LEGENDADA, ...;desenhos como BRUCUTU, PINÓQUIO, JEM E AS HOLOGRAMAS, JORNADA NAS ESTRELAS, PINOQUIO JAPONES, dublados...
    FILMES e series (desde 1940) ,fora-de-catalogo,todos os generos.. Dublagens antigas (AiC-SP, CineCastro,BKS, DublaSom..)

    JOSE CARLOS NEVES - MESTRE HONORIS CAUSA ARTES MARCIAIS , BODYBUILDER, PERSONAL TRAINER...(VEJA MEU PERFIL)

    abaixo um desenho meu a lapis de cor caran d ´ache #memoriatvcinema
    ...no perfil tem mais..

    ResponderExcluir